Este sítio utiliza cookies

Estes cookies são essenciais quer para melhorar as funcionalidades quer para melhorar a experiência de utilização do sítio ALEA.

        

 

 

O sector das águas engarrafadas está a atravessar um período de ouro. O consumo em Portugal de águas minerais e de nascente atingiu os 72,4 litros por habitante em 1999, registando um crescimento de 123% na última década.
Embora longe dos consumos per capita de alguns países comunitários, para este cenário tem contribuído a melhoria do poder de compra dos portugueses, mas, também, algum receio no consumo de água das torneiras.
Um aspecto polémico neste sector reside nos materiais de embalagem. Apesar da «lei Sócrates» de 1996, a qual impunha 100% de reutilização no canal da restauração (Horeca), o PEDIP continuou a financiar linhas de enchimento com embalagens descartáveis.
Em 1998, 15 empresas - num total de 28 - já não vendiam água em vidro reutilizável. Agora que o Ministério do Ambiente deu «ordens» para que a lei fosse mesmo cumprida, o que, segundo a Associação Portuguesa de Industriais de Águas Minerais e de Nascente, exigirá um novo investimento global no sector de 13 milhões de contos.


Para ver mais:

O Instituto Geológico e Minério (http://www.igm.pt/), através da Divisão de Recursos Hidrogeológicos e Geotérmicos, disponibiliza informação variada sobre águas comerciais engarrafadas portuguesas através de uma Base de Dados de Águas Engarrafadas - AQUABASE - no endereço http://www.igm.pt/estat/aguas/engarrafadas/aquabase.asp.

Ver quadro

Consumo Interno de Água Engarrafada
Dados Respeitantes ao Último Decénio (1989-1998)

ANOS Consumo Interno
(milhões litros)
1987 271
1988 290
1989 325
1990 348
1991 361
1992 388
1993 410
1994 445
1995 511
1996 549
1997 585
1998 650

Ver mapa

Localizações e Modos de Utilização das Termas