Este sítio utiliza cookies

Estes cookies são essenciais quer para melhorar as funcionalidades quer para melhorar a experiência de utilização do sítio ALEA.

        


16 de Julho de 2006

 

VANUATU LIDERA “ÍNDICE PLANETA FELIZ”

A Felicidade

Um arquipélago no Pacífico sem petróleo e que às vezes treme um pouco, Vanuatu é o país onde se vive melhor e mais tempo com menos impacto no meio ambiente, segundo o “índice planeta feliz”.

O clima é tropical, o mar límpido, as florestas densas, a esperança de vida ronda os 69 anos. Vanuatu é um arquipélago no Pacífico Sul com 83 ilhas e uma população de pouco mais de 200 mil pessoas entre as quais se falam cem línguas locais. São sobretudo pescadores e agricultores e diz quem lá vive que a vida é para ser vivida um dia de cada vez.

O país, de praias paradisíacas, lidera uma tabela inédita publicada esta semana, chamada “índice planeta feliz”. Portugal está na posição 136.

O ranking tem a chancela da New Economics Foundation (NEF) – uma organização independente sedeada no Reino Unido que diz procurar, nomeadamente através da realização de estudos, promover “soluções inovadoras” que desafiam a forma como habitualmente se pensa o social, a economia e o ambiente.


TRÊS INDICADORES

O “índice planeta feliz” foi construído a partir de 3 indicadores:

– Esperança de vida (os autores recorreram sobretudo a dados das Nações Unidas);

– Percepção por parte dos cidadãos de “satisfação com a vida” (a partir de sondagens internacionais como a World Values Survey, onde se pede às pessoas para, numa escala de 0 a 10, dizerem onde se situam relativamente à satisfação com a sua vida em geral);

“Pegada ecológica” – conceito que exprime a área produtiva equivalente de terra e mar necessária para produzir os recursos utilizados e para assimilar os resíduos gerados por uma dada unidade de população.

 

Sobre o estudo

Este estudo tem várias surpresas, algumas “chocantes”, lê-se no sumário do relatório feito em conjunto com a organização britânica Friends of the Earth: países ricos aparecem geralmente mal colocados no grupo dos 178 analisados, os do G8 não chegam sequer aos 50 primeiros lugares da tabela.

“Este índice, não é um indicador para apurar o país mais feliz do planeta ou o melhor lugar para se viver”, notam os investigadores. “Também não mostra qual o mais rico ou o que é mais amigo do ambiente. Combina estas noções fornecendo um método de comparação dos progressos dos países em relação ao objectivo de proporcionar bem-estar a todos os habitantes sem exceder os limites do consumo equitativo dos recursos naturais."

Portugueses pouco satisfeitos com a vida maltratam ambiente

Portugal ocupa a 136ª posição do “índice planeta feliz”. No lugar imediatamente acima está a Guiné-Bissau e no degrau de baixo está a Eritreia. Mais significativo é olhar para os três indicadores analisados pela New Economics Foundation (NEF).

Esperança de vida: os portugueses têm a mesma dos dinamarqueses (77,2 anos) mas estão menos satisfeitos com a vida em geral – o valor médio “satisfação com a vida” dos lusos é de 6,1, contra 8,2 na Dinamarca, numa escala de zero a 10.

O valor da "pegada ecológica" também não deixa o país bem colocado na fotografia. A "pegada ecológica" portuguesa é de 5,2 hectares por habitante; segundo a World Wild Fund, o planeta tem apenas 1,8 hectares de recursos para cada habitante.

Mais dados sobre Vanuatu

Ranking "índice planeta feliz"