Este sítio utiliza cookies

Estes cookies são essenciais quer para melhorar as funcionalidades quer para melhorar a experiência de utilização do sítio ALEA.

        

Revista Visão - Edição Verde

Os gases com efeito de estufa são os responsáveis pelas profundas alterações que o planeta está a sofrer. E, num estudo recentemente publicado, conclui-se que as emissões aumentaram muito mais do que se julgava.

Aumento da temperatura média até 6,4ºC, subida de 59 centímetros das águas do mar, mais secas e cheias, furacões de intensidade crescente, milhões de pessoas a não ter alternativa senão fugir das suas casas, empurradas por fenómenos naturais extremos, para nunca mais voltar.

As conclusões do IPCC (sigla inglesa para Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, o organismo que estuda, para a ONU, as mudanças climáticas) são as mais completas que existem, mas podem pecar por defeito - aliás, o último relatório deste ano já apresenta resultados bem mais alarmantes do que o anterior, de 2001.

De acordo com esse grupo de investigadores, que usa a Antártida para estudar o fenómeno, o dióxido de carbono (CO2) na atmosfera aumentou 35%, entre 1990 e a média de 2000-2006, para 9,9 mil milhões de toneladas.

O problema, dizem os cientistas, é causado a montante e a jusante: a Humanidade polui mais, enquanto que os oceanos e as florestas têm uma capacidade cada vez menor de absorção de gases com efeito de estufa (devido ao aquecimento das águas do mar e à desflorestação).

(…) Os países industrializados representam, apenas, 20% da população mundial, mas são responsáveis por 60% das emissões. O desequilíbrio aumenta quando se sabe serem as regiões subdesenvolvidas as que mais vão sofrer com as alterações climáticas, enquadrando o aquecimento global numa moldura de imoralidade.


Algumas estatísticas

Os grandes poluidores

No grupo dos países desenvolvidos, Portugal não é dos piores.

Gráfico

Poluição em movimento

Os transportes são o sector que mais gases com efeito de estufa emite.

Gráfico

As casas, essas chaminés

Os edifícios gastam imensa energia.

Gráfico

Consumo de energia por família

Para produzir a mesma quantidade de energia, as diferenças de emissões de CO2 são colossais entre as várias fontes: praticamente de 1 para 100 entre a menos emissora (a hidráulica) e a pior (o carvão).

Gráfico

Emissões de CO2 em edifícios de habitação e comerciais, por países

Os valores de emissões de CO2 nos edifícios do sector terciário e doméstico são um indicador do desenvolvimento do sistema energético do país, mais do que do clima.

Gráfico

Perigosa agricultura

Reflexo da demografia, a agricultura é o único sector no qual as emissões de CO2 são mais importantes nos países em desenvolvimento do que nos países industrializados.

Gráfico