Este sítio utiliza cookies

Estes cookies são essenciais quer para melhorar as funcionalidades quer para melhorar a experiência de utilização do sítio ALEA.

        


POUPAR ENERGIA
Começa em sua casa

Revista NATIONAL GEOGRAPHIC - Portugal O problema global da energia tem sido quase sempre abordado pelo ângulo da produção e do evidente contributo das fontes renováveis  para a diminuição da dependência nacional dos combustíveis fósseis. Discutimos regularmente os efeitos do aumento exponencial do  consumo energético, com consequências prováveis nas alterações climáticas e na dependência energética do estrangeiro.
 Mas não discutimos o problema pelo ângulo da eficiência energética doméstica, por aquilo que cada um pode poupar na factura  energética.

 Onde? Em 2007, cada lar português consumiu, em média, 3.533 kWh/ano. Anualmente, o consumo energético tem sido superior ao do ano anterior e, com frequência, esse aumento percentual é superior ao crescimento do Produto Interno Bruto. O compromisso comunitário até 2010 foi estabelecido sobretudo para aumentar a quota de produção de energia eléctrica a partir de fontes renováveis, mas a eficiência tem sido a parente pobre do debate.

O projecto EcoFamílias da Quercus arrancou em 2007 com o objectivo de analisar os consumos de 225 famílias em Portugal continental e avaliar o respectivo potencial de poupança.

Consumo real/Percepção

Para as 225 famílias do projecto, a percepção dos consumos não corresponde totalmente à realidade.

Gráfico

 

No final do projecto, a associação estimou um potencial de poupança energética na ordem dos 10% - mais de 70 mil kWh/ano, o que implicaria uma redução de quase 35 mil quilogramas de CO2 emitidos por ano.

{slider Incandescentes, LED e fluorescentes compactas|closed}

As lâmpadas incandescentes duram 2 000 mil horas e gastam mais energia.

Gráfico

A área mais negligenciada pelas famílias portuguesas é a do consumo invisível, aquele que se produz quando o equipamento de lavagem, de entretenimento ou de informática não está em uso, mas se mantém na posição de stand-by ou em off-power. Há equipamentos, sobretudo os de informática e os de entretenimento, que consomem 15 ou 20% de energia, mesmo sem estar em uso.

Taxa de presença e consumo real

Há vários equipamentos com taxas de presença quase totais nos lares portugueses.

Gráfico

Outra área promissora é a iluminação. Quase metade dos lares portugueses possui ainda lâmpadas incandescentes e de halogéneo. A sua substituição por lâmpadas fluorescentes compactas (CFL) produziria mais 3,5% de potencial de poupança na iluminação doméstica, sem um investimento de monta.

Detectou-se ainda uma terceira área de intervenção - a da eficiência dos equipamentos. O potencial de poupança é menor, mas existe: 1,9%.

O reino da energia

A electricidade é a maior fonte de energia para os agregados familiares dos EUA. Por cada kilowatt-hora consumido, "perdem-se" 2,2 na produção e envio da energia.

Gráfico

As poupanças, os custos

Plano de redução do CO2.

Gráfico

GráficoGráfico

 

Consultar mais informação em:

» Quercus - TopTen: ferramenta de pesquisa on-line onde se analisam os equipamentos mais eficientes do mercado e se ajuda o consumidor a escolher
» Plataforma de acesso gratuito, dedicada aos proprietários de imóveis que procuram um certificado energético