Este sítio utiliza cookies

Estes cookies são essenciais quer para melhorar as funcionalidades quer para melhorar a experiência de utilização do sítio ALEA.

        

 
Jornal Publico

A generalização do acesso à escola foi o factor mais relevante nestes 50 anos. Um dos resultados: em 1960, Portugal tinha mais de 30 por cento de analfabetos. Em 2001, esta percentagem estava nos nove por cento. Mesmo assim, ainda quase um milhão sem saber ler ou escrever.

O relatório do Instituto Nacional de Estatística revela que a procura da escola cresceu desde 1960/1961 até 2007/2008 em mais de 700 mil alunos. Se nos anos de 1960 a procura do pré-escolar era praticamente nula, actualmente são mais de 260 mil as crianças inscritas nos jardins de infância.

No pré-escolar, o número de crianças cresce, mas nos restantes ciclos, devido sobretudo à quebra da taxa de natalidade, tem vindo a cair: no básico; desde 1985; no secundário, a partir de 1996. Aliás, em 50 anos, o ano lectivo em que houve mais alunos no sistema foi em 1991/1992, com dois milhões de matriculados. Hoje são 1 802 819. Desde a década de 1980 que a taxa real de escolarização é de 100 por cento no 1.º ciclo. Em 1960, a taxa era de cerca de um por cento para o ensino pré-escolar e secundário e, 50 anos depois, é de 78 e 60 por cento, respectivamente.

Em 1995/1996, Lisboa e Vale do Tejo e a região Centro ficavam acima da média nacional (89,6 por cento) no que diz respeito à taxa de transição e conclusão no 1.º ciclo do ensino básico. Passados 12 anos, os alunos do Centro mantêm os seus bons resultados, a par dos seus colegas do Norte, com valores acima da média nacional (96,3%).

Quanto ao secundário, em 1995/1996 os melhores resultados estão no Norte, Lisboa e Vale do Tejo e Alentejo, com médias acima da nacional (67 por cento); o cenário muda em 2007/2008, com apenas o Norte e o Centro melhor classificados.

Jornal Publico

Privado com melhores resultados

O particular apresenta taxas de transição mais elevadas.

Taxa de escolarização nos diferentes níveis de ensino (não-superior)

Alunos matriculados nos diferentes níveis de ensino (não-superior)

Docentes e Estabelecimentos de ensino (não-superior)

Taxa de feminidade

 

Consultar mais informação:

Publicação 50 Anos de Estatísticas da Educação (ensino não-superior)
http://www.dgeec.mec.pt/np4/172/%7B$clientServletPath%7D/?newsId=196&fileName=50_Anos_VolI.pdf
Instituto Nacional de Estatística: Destaque "Estatísticas da Educação 1961-2008"
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=82409144&DESTAQUEStema=00&DESTAQUESmodo=2

 

 

Estatística
em foco



Nesta página encontram-se algumas notícias com Estatísticas que vão surgindo diariamente em Jornais e Revistas e que permitem demonstrar a importância, a utilidade e a atualidade da Estatística no nosso dia a dia