Este sítio utiliza cookies

Estes cookies são essenciais quer para melhorar as funcionalidades quer para melhorar a experiência de utilização do sítio ALEA.

Índice | II. Experiência aleatória | IV. Modelos de Probabilidade discretos e contínuos

III. Probabilidade

Parte 13 de 47

3. Interpretação Bayesiana de probabilidade

A confiança ou credibilidade que atribuímos aos resultados observados quando se realiza um fenómeno aleatório é geralmente reforçada pela quantidade de informação que temos sobre o fenómeno em causa. Com este modo de atribuição de probabilidades a acontecimentos, ao mesmo acontecimento podem ser atribuídas probabilidades diferentes. Esta é a chamada interpretação subjectiva ou Bayesiana da probabilidade.

No exemplo das cartas, as probabilidades pessoais que vários indivíduos atribuem ao acontecimento "a carta de cima é espadas" quando se baralham as cartas e se recolhe a primeira, é a mesma, já que os modelos que os vários indivíduos consideram para a experiência são idênticos. Em exemplos que envolvam jogos de azar com cartas, dados, moedas, etc, existe um largo consenso acerca do modelo apropriado, pelo que não existem divergências acerca das probabilidades dos acontecimentos envolvidos.