Este sítio utiliza cookies

Estes cookies são essenciais quer para melhorar as funcionalidades quer para melhorar a experiência de utilização do sítio ALEA.

Índice | II. Experiência aleatória | IV. Modelos de Probabilidade discretos e contínuos

III. Probabilidade

Parte 14 de 47

4. Modelos de Probabilidade em espaços finitos

Do mesmo modo que se podem utilizar modelos matemáticos para exprimir relações entre dados e é exemplo disso a recta de regressão que exprime a relação linear existente entre duas variáveis, também é possível encontrar modelos apropriados para descrever os fenómenos aleatórios.

Vamos admitir, para já, que pretendemos estudar um fenómeno aleatório cujo espaço de resultados tenha um número finito de resultados. A construção de um modelo para este fenómeno compreende duas fases:

- Descrição de todos os resultados do espaço de resultados ou espaço amostra;

- Atribuição de uma probabilidade a cada um dos resultados do espaço de resultados.

A escolha deste conjunto de números pode ser feita de forma a obtermos um conjunto de números consistentes com a nossa intuição sobre os valores que iríamos obter para as frequências relativas dos resultados obtidos, se repetíssemos o fenómeno um número suficientemente grande de vezes (como vimos na interpretação frequencista de probabilidade).